Hirsutismo: problema estético ou de saúde?

INTRODUÇÃO


Hirsutismo é definido como a produção excessiva de terminal de cabelo em áreas associadas com a maturidade sexual masculina (1). Deve ser distinguida da hipertricose, que remete para o aumento do cabelo do corpo em áreas não androgênicas.

Sua presença compromete gravemente a auto-estima das mulheres (2). Estudos mostram que 41% delas recebem comentários sarcásticos por sua condição, e mais de 50% delas evitam atividades que as expõe fisicamente, como natação, mergulho, eventos sociais e contato sexual (3).

Além do impacto emocional forte, o hirsutismo torna-se uma condição clinicamente relevante e pode ser traduzido como a existência de hiperandrogenismo, infertilidade e está associado com o risco de hiperplasia ou malignidade nas glândulas supra-renais (2).


Diagnóstico do hirsutismo


O escala de Ferriman-Gallway escala (http://www.gfmer.ch/Cours/Hirsutism_ferriman_gallwey_score.htm) avalia a quantidade de pêlos existentes nas mulheres (masculino, barba, peito, alba, região suprapúbica, antebraços , coxas anteriores, parte superior do tórax e região lombar) (4). Usando uma pontuação de 1 a 4, dependendo da gravidade do hirsutismo, as mulheres podem ser classificadas em:

    I. <8 pontos: Normal
    
II. 8-16 pontos: hirsutismo leve
    
III. 17-25 pontos: hirsutismo moderado
    
IV. 25 pontos: hirsutismo severo


ETIOLOGIA do Hirsutismo


As causas do hirsutismo podem ser divididas em (2):

    1. Hiperandrogenismo Endógeno: Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP), tumores de ovário ou adrenal, hiperplasia adrenal em adultos (HSSRR)
    
2. Hiperandrogenismo Exógeno: Drogas (Danazol, esteróides anabolizantes, terapia de reposição hormonal com andrógenos).
    
3. Aumento da sensibilidade androgênica da unidade pilossebácea: Hirsutismo Idiopático.


ESTUDO INICIAL


A história e o exame físico são os pilares para iniciar o estudo de uma mulher hirsuta.
A causa mais comum de hirsutismo é idiopática. É caracterizada pela presença de hirsutismo com as regras (menstruação) regulares e exame físico sem sinais de virilização. O estudo de laboratório, conduzido apenas contra as dúvidas de diagnóstico, apresenta níveis normais de androgênios circulantes (1).

Um paciente hirsuta, que é suspeita de hiperandrogenismo deve ser encaminhada imediatamente a um especialista. Neste sentido, os elementos de orientação sobre a existência de hiperandrogenismo são (2):

    1. Menstruação irregular
    
2. Sinais de virilização (voz mais grave, aumento da massa muscular, clitoromegalia). Sinais de virilização rápida exigem a exclusão da possibilidade de um tumor
   
3. Testosterona livre > 2 vezes normal


DROGAS – TRATAMENTO


Os tratamentos disponíveis para o tratamento do hirsutismo são classificados em médicos e cosméticos.

1. Tratamentos Médicos: Existem duas revisões sistemáticas de apoio a eficácia do acetato de ciproterona adicionado ao etinilestradiol (5) e espironolactona (6) para a gestão do hirsutismo. Estes tratamentos são de domínio exclusivo do especialista. Modernamente se utilizam medicações como a drospirenona, a metformina e variadas combinações destes fármacos para atingir os resultados necessários ao bom controle da enfermidade

2. Cosméticos: Os tratamentos incluem branqueamento e depilação cosméticos. Este último inclui depilação manual com lâminas de barbear, ceras, produtos químicos, eletrólise e depilação a laser (2).

Não há evidências na literatura comparando a eficácia dos métodos listados acima. Estes devem ser selecionados de acordo com sua disponibilidade e custo.


RESUMO


Hirsutismo refere-se ao aumento de pêlos no corpo nas áreas andrógeno-dependentes.
É uma condição que deve ser estudada tanto pelo impacto emocional pode geralmente como as implicações clínicas da sua presença.
A causa mais comum de hirsutismo é idiopática, causada por um aumento da sensibilidade do aparelho pilossebáceo onde circulam os andrógenos.
Suspeitando que a hipertricose é secundária ao hiperandrogenismo, o paciente deve ser encaminhado imediatamente. Estes casos devem ser suspeitada na presença de menstruação irregular, sinais de virilização e níveis de testosterona livre cerca de duas vezes o intervalo normal.


REFERÊNCIAS


1. Hirsutismo Guide 2002 (39) Fisterra. Grupo Galicia MBE
2. Hirsutismo: Avaliação e Tratamento. SOGC Prática Clínica n º 110 janeiro 2002
3. Aguirre, Benvenuto, Urrutia. Qualidade de vida em mulheres com SOP. Rev Chil Obstet Ginecol 2005, 70 (2): 103-107
4. Geneva Foundation for Medical Education and Research. Hirsutismo, 13 de agosto de 2003.
5. Van der Spuy ZM. Acetato de ciproterona hirsutismo. Rev. Cochrane, 2005
6. Farquhar C. Espironolactona versus placebo ou em combinação com esteróides para hirsutismo e acne. Cochrane 2005

Patologias do Vazio

           Se pararmos para observar ao nosso redor, sem dificuldades vamos perceber que a sociedade em que vivemos hoje não é a mesma de nossos pais e avós. Não é novidade essa constatação que está inclusive nos discursos mais nostálgicos dos que dizem “no meu tempo não era assim.”Não são as mesmas ruas que outrora se enchiam de crianças reunidas para a brincadeira; não são as mesmas casas com suas rotinas de refeições conjuntas tão rigorosamente respeitadas; não são as mesmas lojas, nem as mesmas roupas, nem o mesmo dinheiro… Muita coisa mudou daquele tempo para os dias de hoje, e talvez as mudanças mais importantes estejam na forma como hoje nos relacionamos com os objetos e com as pessoas. Não se trata de saudosismo ao que já passou, nem tampouco de repúdio ao modo como se vive hoje; trata-se de uma reflexão sobre a forma como se vive na sociedade contemporânea – sem segurança, sem tempo para rotinas familiares, sem estabilidade profissional dentre outras – com as chamadas “patologias do vazio”, tão estudadas na atualidade.
           “Patologias do vazio” é o nome dado às doenças psíquicas que têm seus sintomas privilegiadamente no corpo – como é o caso das anorexias e bulimias – ou sintomas de vazio, de falta de sentido, de solidão extrema – como são os casos de algumas depressões, de transtornos de personalidade borderline e do transtorno do pânico. Não cabe aqui conceituar todas estas doenças psíquicas, mas o que todas têm em comum não é difícil imaginar: a sensação de estar sozinho e vazio.
Sabendo-se dessas doenças, das patologias do vazio, como relacioná-las com o modo de vida que temos hoje? Pode não ser tão fácil de perceber, mas a sociedade contemporânea é uma sociedade que dissemina o vazio e a solidão. Basta observar as inovações tecnológicas, por exemplo. As últimas novidades de celulares de hoje não sobreviverão até a próxima estação, já serão ultrapassados por modelos mais “completos” que acumularão mais funções e terão uma vida útil reduzida na mesma medida. O novo não se mantém por muito tempo, ou porque é superado por outro modelo “mais novo”, ou porque estraga (já que diferente do tempo dos nossos pais e avós, as coisas hoje não são feitas para durar). Da mesma maneira, ou com a mesma lógica, funcionam os relacionamentos. Como aponta o sociólogo polonês Zygmunt Bauman em seu livro “Amor líquido”, as relações amorosas da atualidade seguem o princípio da satisfação – como se prega no comércio em geral – onde para permanecer com alguém precisamos ter nossas necessidades satisfeitas plenamente. É preciso ter algum “lucro”, no sentido de ter vantagens de estar com aquela pessoa ao invés de estar sozinha. Dessa maneira os relacionamentos são pensados também na lógica dos produtos: “serve até que apareça outro ainda melhor”. O esvaziamento é constante, tanto dos produtos quanto das pessoas. Esvaziamento de sentido à medida que não se tem a permanência dos objetos ou das pessoas uma vez que podem ser trocadas sempre que apresentarem problemas ou falhas.
Os modos de viver da sociedade contemporânea não sustentam valores de estabilidade e permanência, tolerância e paciência, tão importantes para a produção de sentidos, para a compreensão da vida. As patologias do vazio precisam ser compreendidas nesse contexto social de impermanência e esvaziamento dos sujeitos onde a falta de sentido e o sentimento extremo de solidão são os sintomas mais produzidos.

O Que Fazemos

Como especialistas em suas áreas de atuação, o Dr. Rafael Reinehr  atendem rotineiramente, entre outras situações clínicas:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O que trata um Endocrinologista?

– Obesidade

– Diabetes mellitus e Diabetes insipidus

– Distúrbios daTireóide

– Endocrinologia Pediátrica

– Distúrbios da Hipófise

– Distúrbios da Puberdade (Acne, Menstruação desregulada)

– Doenças da Supra-renal

– Distúrbios do crescimento

– Distúrbios da menstruação

– Colesterol e Triglicerídeos

– Osteoporose

– DAEM (Andropausa)

– Menopausa e Climatério

– Reposição Hormonal

– Hirsutismo (excesso de pêlos)

– Avaliação corporal por Bioimpedanciometria

Como chegar à Clínica MedSpa – Um Mapa para ajudar você

A Clínica MedSpa encontra-se localizada no Centro de Araranguá, em local de fácil localização.

A MedSpa está situada na Rua Caetano Lummertz 456, na sala 401 do edifício chamado Comercial e Executivo Araranguá, em frente ao Supermercado Giassi do Centro.

Para chegar à Caetano Lummertz, é só seguir por uma das duas principais avenidas da cidade, a Sete de Setembro ou a Quinze de Novembro. Confira no mapa abaixo:

Mapa da Clínica Medspa

Se estiver com alguma dificuldade em chegar até a Clínica, não hesite em telefonar para o (48) 3524 8238 solicitando orientação. Esperamos você!

Quem Somos

PDF Print E-mail

Dr. RafaelFormado em 1999 pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, o Dr. Rafael tem larga experiência no dia-a-dia da Endocrinologia. Realizou um fellowship no Saint Bartholomew’s Hospital em Londres , na Inglaterra, hospital de referência na Neuroendocrinologia mundial.

Na MedSpa, o Dr. Rafael Reinehr traz todo seu conhecimento para lhe auxiliar no que for preciso para garantir uma vida mais saudável, plena de vigor e bem-estar.

Além de tratar com eficiência patologias como Obesidade, Diabetes, Distúrbios da Tireóide, Osteoporose, Colesterol e Triglicerídeos, Puberdade Precoce ou Atraso Puberal, Hirsutismo (excesso de pêlos), Menopausa e Andropausa, Hipertensão Endócrina, Distúrbios das Supra-Renais, aumento da Prolactina, Hipogonadismo (deficiência de hormônios sexuais), Distúrbios da Hipófise e tantas outras enfermidades endocrinológicas, acreditamos que o foco da nossa vida deve estar na CONSERVAÇÃO DA SAÚDE.  Portanto, incentivamos e orientamos medidas como uma dieta adequada individualizada e exclusiva, exercícios físicos regulares, uma boa leitura e meditação. Entretanto, sempre que o uso de uma
medicação se fizer necessário, estaremos utilizando o que há de melhor e mais atualizado para lhe ajudar de forma rápida e eficaz, resolvendo prontamente seu problema.

Ainda, para aqueles que estão acima do peso, dispomos de um moderno método de bioimpedância para avaliação precisa da composição de gordura, água e massa magra corporal. Já na primeira consulta, é feito um check-up completo do seu estado de saúde, através de cuidadosa entrevista médica e avaliação física, nutricional, e metabólica. Sua saúde e o futuro da sua vida merecem este cuidado.

 

Bem-vindo. A Clínica MedSpa lhe saúda!

A MedSpa é uma clínica interdisciplinar administrada pelo Dr. Rafael Luiz Reinehr – Médico Endocrinologista que, imbuída no objetivo de satisfazer de forma individualizada e singular as necessidades de seus clientes, apresentam, em uma Clínica diferenciada, uma nova forma de encarar a Medicina e a Saúde em geral.

Entre em contato, agende uma consulta e venha nos fazer uma visita. O começo de uma nova vida só depende de você.

 

Rua Caetano Lummertz 456, sala 401

Comercial e Executivo Araranguá

Fone: (48) 3524 8238

Araranguá – SC